kardec - o educador

Loading...

terça-feira, 2 de outubro de 2012





Na aula de história, a professora falava sobre a noite de São Bartolomeu, que ocorreu na França em 1572. Dizia ela:

-    Por intolerância religiosa, católicos e protestantes guerrearam em "nome de Deus". Foi um massacre de mais de 20 mil protestantes pelos católicos.
Um aluno mais curioso perguntou:
-          Professora, onde estava Deus que permitiu a morte de tantas pessoas?
A professora respondeu:
-          Deus estava ausente na “atitude das pessoas”...


É muito difícil acreditar na perfeição de Deus, para quem não conhece, ou para quem não quer conhecer, a Lei de Causa e Efeito. 

Principalmente quando assistimos diariamente a violência: na política, nos filmes, no esporte, nos programas infantis, no campo rural, na fome, na imortalidade infantil, no trânsito, na prostituição infantil e adulta, no meio policial, no vício, etc. A história nos mostra outras violências "em nome de Deus". Por exemplo: a "santa inquisição", “as guerras santa”, etc.  Por isso muitos perguntam: 

Onde estava Deus nestes momentos?

A maior dificuldade está em entender como o Criador pode ser justo e bom se há tanta injustiça e maldade no Mundo. 

Como pode permitir que crianças morram de fome? 
Que ditadores oprimam populações imensas? 
Que ricos mercadores explorem seus subordinados? 
Que bandidos aterrorizem as pessoas? 
Que torturadores façam tantas vítimas?
Mas a pergunta que devemos fazer é:

QUEM GERA A VIOLÊNCIA? 

Quem gera a violência somos nós quando nossas atitudes não são baseadas nos ensinamentos cristãos. 
 Observemos que, quase todo dia cometemos um ato violento, nem que seja através do pensamento ou da maledicência contra um irmão.

 Queremos paz, mas os filmes mais alugados ou assistidos são de sexo e violência; pais presenteiam filhos com jogos de video game violentos; damos ibope para jornalismo que só fala de violência, esportes violentos, programas onde “familiares” entram em conflito; reality show com nada a acrescentar em relação a moral e a ética; há quem torça pela vilã ou vilão de uma novela ou filme; há quem busque a falsa alegria através de drogas que alteram seu comportamento, etc. Além de buscarmos formas cada vez mais agressivas para acabar com a violência, como pena de morte, extermínio, tortura, cerceamento da liberdade em condições subumanas, etc. Ou seja, criamos um ciclo vicioso de agressões.
Como podemos ver, a violência está enraizada no ser humano, que a tem vivido e até mesmo cultivado através dos milênios. O que muitos ainda não entenderam é que Deus nos dá livre arbítrio para agir mas,  Sua lei explica que "o plantio é livre, mas a colheita obrigatória." Toda ação gera uma reação, ou seja, toda atitude boa ou má de nossa parte gerará uma reação, um retorno no mesmo sentido. Se não for nesta encarnação será na próxima. 

A violência revela a condição evolutiva do violento ou de quem gosta de violência.

É uma minoria que, tumultua, conturba, espalha sofrimento e confusão, como lobos em meio de ovelhas. Mas que fazem muito barulho.
O mais importante, é reverter o quadro de violência, através do bem, da escolha de nossos pensamentos, palavras, atitudes, gosto literário, televisivo e de lazer. Juntamente por meio de grupos de orações, evangelho no lar, usando as armas do amor, a fim de alterarmos nosso padrão vibratório e, consequentemente, o do planeta Terra, que é o nosso lar.

A luta é de todos aqueles que acreditam em um mundo melhor, no qual o bem se sobreponha ao mal e que seja um local de regeneração.

grupo de estudos allan kardec